Depressão

Depressão: sintomas, causas, tratamento e muito mais

A depressão, seus sintomas e causas são discutidos neste texto. A questão do tratamento também é colocada em pauta.

A depressão, seus sintomas e causas são discutidos neste texto. A questão do tratamento também é colocada em pauta.

Por que falar sobre depressão?

Falar sobre os sintomas da depressão é de extrema importância ainda mais no mês em que acontece a campanha Setembro Amarelo, cujo objetivo é falar sobre suicídio, que ao contrário do que se pensa  não é um incentivo à prática.

Se você se interessa pelo assunto acompanhe o meu Instagram, pois esse mês muitos posts serão sobre o tema suicídio.

Como você pode observar em meu site, Transtornos Depressivos é um tema rotineiro no consultório e que já falamos aqui no texto “Depressão, estou sujeito?”

Quais são os sintomas depressivos?

De acordo com o mais recente Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5) uma pessoa é considerada com o chamado Transtorno Depressivo Maior quando tem os sintomas abaixo.

Quadro de sintomas

Meu Deus, acho que estou com depressão! E agora?

Calma, quem dá o diagnóstico correto é um profissional da saúde, lembre-se sempre disso.  Se você se identificou com alguns destes sintomas busque um desses profissionais, que são qualificados e podem lhe ajudar.

Terapia psicológica ajuda?

Sim! Estudos mostram que a parceria de psicólogo e psiquiatra traz uma eficiência no tratamento da depressão. Mas fique atento para não cair na cilada de pensar que psicoterapia é para gente doente. Esse é um pensamento muito difundido em nossa cultura e não é verdade!

A terapia ajuda a você a olhar e resolver problemas que estão atrapalhando o seu desenvolvimento. Veja a seguir o que a influencer Jout Jout fala sobre psicoterapia, em seu canal no You Tube, no vídeo Psiquê Humana.

Serviço: O nome  dessa “parada meio teatral” (sic) de terapia mencionada, no final do vídeo, pela Jout Jout, leva o nome de Psicodrama que é um método de ação profunda e transformadora, que trabalha tanto as relações interpessoais como as ideologias particulares e coletivas que as sustentam. Sua aplicação é uma das mais eficientes e criativas nos campos da saúde, da educação, das organizações e dos projetos sociais.

Gostou do texto?   Faça essa informação chegar a quem precisa,  comente e/ou compartilhe em suas redes sociais.Informação parada é desperdício.

Você teve conhecimento?

Nos últimos dias foi bastante vinculada na internet a repercussão da entrevista de Johnny Depp à revista Rollinstones. A matéria, escrita por Stephen Rodrick, abordou sobre o relato do ator em relação à depressão que vivenciou.

A proposta deste texto, caro leitor, é frisarmos como a depressão tem aumentado no mundo, inclusive em nosso país, e como podemos nos aproximar e dialogar melhor em relação ao tema.

Começamos com um dado interessante sobre a terra do carnaval. Você tinha ideia de que mesmo tendo a fama de ser um país alegre o Brasil tem uma grande parte da população que sofre com a depressão?.

Uma matéria feita pelo siteG1, trouxe no título a seguinte frase: “Depressão cresce no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS); Brasil tem a maior prevalência da América Latina”.

Consta no relatório da OMS a seguinte informação:

“No Brasil, 5,8% da população sofre com esse problema, que afeta um total de 11,5 milhões de brasileiros. Segundo os dados da OMS, o Brasil é o país com maior prevalência de depressão da América Latina e o segundo com maior prevalência nas Américas, ficando atrás somente dos Estados Unidos, que têm 5,9% de depressivos.” G1, 2017

O suicídio, segundo dados da OMS, “aumentou gradativamente no Brasil entre 2000 e 2016: foi de 6.780 para 11.736, uma alta de 73% nesse período. As maiores taxas de crescimento foram registradas entre jovens e idosos, de acordo com o Ministério da Saúde”2.

A mesma organização nos aponta que “no mundo, o suicídio acomete mais de 800 mil pessoas, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). É a segunda causa de morte no planeta entre jovens de 15 a 29 anos — a primeira é a violência”.

Olhando para esses números é impossível negar que a depressão se tornou uma questão de Saúde Pública. E é essencial nos aproximarmos do tema, para termos um maior esclarecimento das características.

É inadmissível ainda encontrarmos falas do tipo “Depressão é coisa de rico”; “Ah, isso é frescura”; “Preguiça”, dentre tantas outras coisas jocosas que ouvimos.

Mas o que podemos fazer em relação a depressão?

Eu acredito que se informar com conhecimentos sólidos, coerentes, e disseminá-los com nossos próximos é um começo. Em outras palavras, falar de depressão tem que fazer parte do nosso dia a dia; assunto da mesa de café da manhã.

Basta darmos um “google” na rede e veremos milhares de sites que descrevem como se caracteriza a depressão: humor deprimido, perda de interesse ou prazer em quase todas as atividades durante pelo menos duas semanas, podendo ser acompanhada de planos ou tentativas suicidas.

Mas tratando-se de doença leitor, não podemos apenas consultar o “Dr. Google”, uma prática muito comum hoje em dia. Muitos já chegam na consulta apenas para validar o diagnóstico que ele mesmo se nomeia por causa de suas pesquisas na internet. Vale lembrar que diagnóstico se faz com um especialista, na vida real, e não na virtual.

A depressão é uma realidade que não escolhe etnia, posição social, e tantas outras coisas. Podemos dizer que ela é democrática. Todos nós podemos desenvolver depressão, lembrando que há alguns fatores que tornam algumas pessoas mais propensas que outras.

Saber identificar quando as situações da vida estão começando a perder o colorido ou quando a vida começa a perder o sabor, (tipo aquele arroz que você esqueceu de colocar o sal), é muito importante para que consequentemente possamos saber os caminhos onde encontraremos ajuda especializada.

Para encerrar esse texto, deixo aqui a fala do psicólogo Alexandre Keusen, dita em entrevista para o siteTerra4, onde ele aponta como uma das causas, referente ao aumento da taxa de depressão, ser consequência do “ritmo de vida atual”.

E aí, o que você acha, concordar com Keusen? Também pensa que devemos trazer esse assunto para nosso dia a dia? Deixe sua opinião nos comentários.

Busque ajuda!

Como dito no vídeo, existem maneiras de conseguir atendimento psicoterápico gratuito, caso no momento sua situação financeira esteja fragilizada.

Sintomas Depressivos

Compartilho a seguir algumas instituições que conheço o trabalho dos profissionais que supervisionam os alunos de psicologia.

Quebre esse tabu, busque auxílio. Falar é o primeiro passo.

E lembre-se: Invista em sua saúde emocional sempre!

compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email